7.6 C
Castelo Branco
Terça-feira, Janeiro 18, 2022
No menu items!
InícioInternacionalISEC convidado para fazer conferência em Havana sobre “smart cities”

ISEC convidado para fazer conferência em Havana sobre “smart cities”

Mercedes Martinez Valdés, embaixadora de Cuba em Portugal, deslocou-se a Coimbra para visitar o Instituto Superior de Engenharia de Coimbra e os seus laboratórios.Convidou a participar em 2022 num congresso internacional de educação superior com uma conferência sobre cidades inteligentes, desenvolvimento sustentável, inovação e inclusão social.

O Instituto Superior de Engenharia de Coimbra – ISEC irá apresentar em fevereiro em Havana, num congresso internacional sobre o papel das universidades na construção de um futuro sustentável, uma conferência sobre “smart cities” e gestão sustentável das cidades.

O ISEC é a escola portuguesa de referência das cidades inteligentes, tendo sido a primeira instituição de ensino superior no país a lançar uma licenciatura em “Gestão Sustentável das Cidades” e, mais recentemente, um mestrado em “Cidades Sustentáveis e Inteligentes”.

A embaixadora de Cuba em Portugal, Mercedes Martinez Valdés, visitou o ISEC e convidou o seu presidente, Mário Velindro, a participar na 13ª edição do congresso internacional da educação superior “Universidade e Inovação por um Desenvolvimento Sustentável e Inclusivo”, que ocorrerá no Palácio de Convenções de Havana, em Cuba, de 7 a 11 de fevereiro de 2022.

A diplomata visitou os laboratórios do instituto e falou com docentes e investigadores sobre os projetos em curso.

“A visita da embaixadora revela as relações alargadas que o ISEC tem conseguido estabelecer nos últimos anos com várias instituições nacionais e internacionais, como é o caso da Universidade de Havana, com a qual temos mantido uma relação próxima”, afirmou Mário Velindro, presidente do ISEC.

“Sendo o ISEC a segunda instituição a nível nacional que tem uma parceria com a Universidade de Havana, tal como a Universidade de Coimbra, é para nós uma grande responsabilidade ira falar sobre a construção das cidades inteligentes perante académicos e investigadores de todo o mundo”.

O ISEC tem-se distinguido internacionalmente por capacitar estudantes e, também, profissionais que já estejam têm carreiras bem sucedidas, para transformarem as cidades em ambientes mais inteligentes, mais agradáveis, mais confortáveis, mais estimulantes e mais sustentáveis para os cidadãos que as habitam.

“A nossa proposta de abordagem às cidades inteligentes – e que corresponde ao modelo da nossa oferta formativa – junta quatro ramos da engenharia: Engenharia Civil,Engenharia Informática e de Sistemas,Engenharia Mecânica e Engenharia Eletrotécnica”, afirma Mário Velindro.

“Esta multidisciplinaridade, não só possibilita uma visão global sobre as “smart cities”, como também é uma excelente metáfora sobre a forma como as próprias cidades pode e devem funcionar: como um exemplo vivo de que o conhecimento não pode ser enfrentado apenas com um tipo saber, mas antes com a conjugação de diferentes saberes e de muitos contributos de ciências diversas que se juntam, e se articulam, para resolverem problemas comuns da vida urbana, da sociedade, da economia, da cultura, do lazer e do desporto”.

A edição do próximo ano do congresso internacional “Universidade e Inovação por um Desenvolvimento Sustentável e Inclusivo” tem como objetivo analisar e debater o futuro do ensino superior e a forma como universidades e escolas politécnicas podem contribuir para um desenvolvimento sustentável, à inovação e à inclusão.

Nos cinco dias de evento decorrerão várias atividades focadas em temas como a internacionalização do ensino superior ou o compromisso da educação na transformação social.

Contará ainda com a realização de um fórum de ministros e autoridades de ensino superior e uma discussão alargada sobre a Conferência Mundial da UNESCO.

“Em Havana vamos partilhar o nosso modelo de formação de quadros com uma visão global para várias dimensões que compõem uma “smart city”, desde a construção, gestão e planeamento urbano sustentável, até à criação de sistemas inteligentes de agregação e de tratamento de dados”, afirma Mário Velindro.

“Para nós é muito importante a componente sustentável do planeamento urbano, da gestão das suas infraestruturas, da construção de edifícios. E será também desenvolvida a parte tecnológica, isto é: tudo aquilo que torna as cidades efetivamente inteligentes, como é o caso dos sistemas inteligentes de apoio à decisão, do ‘big data’ ou da “internet das coisas’”.

 

Leave a Reply

- Advertisment -

Most Popular

COMENTÁRIOS RECENTES

Paula Alexandra Farinha Pedroso on Elias Vaz lança livro sobre lendas e mitos de Monsanto
%d bloggers like this: