21.1 C
Castelo Branco
Sábado, Maio 21, 2022
No menu items!
InícioOpiniãoPonto de Vista... por António Justo

Ponto de Vista… por António Justo

Viragem na ordem europeia iniciada pela Alemanha – Nova guerra fria

A Ucrânia só precisa da autorização da Otan

Para evitar a traição da Ucrânia, cuja situação interna foi criada por atuação do Ocidente e da Rússia, decide-se agora a Alemanha pela filosofia militar da guerra fria de outrora. Numa guerra que não pode ser ganha e só será perdida, a situação é grave atendendo à possibilidade de desaparecimento de um país, sua divisão ou criação de um país independente! A história repete-se, com esta tomada de posição da Alemanha reinicia-se na Europa a época da guerra fria!

António Justo

A invasão da Ucrânia pela Rússia deu início ao surgir de uma nova consciência europeia que facilita um lugar mais patriarcal no mundo dos grandes! Até o presente a Alemanha, entre os seus parceiros, como travão da vontade militar! Agora, o governo alemão determinou uma mudança histórica de rumo; no passado era consenso alemão o não fornecimento direto de armas para zonas de conflitos bélicos.

O governo alemão passa agora a fornecer armas à Ucrânia: 1000 armas antitanque e 500 mísseis terra-ar provindos dos seus estoques da Bundeswehr.

Também quer entregar 14 veículos blindados e até 10.000 toneladas de combustível. Para reforçar a nova filosofia, o governo alemão quer disponibilizar 100 mil milhões de euros para a modernização das Forças Armadas alemãs.

Há aspirações de reforçar as Forças Armadas de 183.000 para 203.000 soldados nos próximos dez anos (1). O chanceler Olaf Scholz justifica a mudança de posição da Alemanha, dizendo: “A invasão russa da Ucrânia marca um ponto de viragem. Ameaça toda a nossa ordem do pós-guerra” e reforça: “nesta situação, é nosso dever apoiar a Ucrânia o melhor possível na sua defesa contra o exército invasor de Vladimir Putin. A Alemanha está ao lado da Ucrânia (2)”…. A pressão sobre Berlim para entregar armas defensivas à Ucrânia tinha vindo a aumentar, feito por países parceiros que já há semanas forneciam armas à Ucrânia (EUA, Reino Unido, etc..). Com a viragem de estratégia alemã inicia-se-á na Europa a corrida ao armamento.

Ao contrário do governo de Ângela Merkel, a nova coligação abandona a política pós-guerra de contenção para seguir mais nas pegadas dos EUA.

O mundo está roto, chove nele dentro e para a! Na Europa encontraro-nos de luto, com vergonha, desiludidos ou sem palavras.

A atitude de Putin traz à luz uma sociedade europeia desprecavida, uma força militar impreparada e uma avaliação desclassificante dos atores políticos por identificar os seus interesses com os EUA.

Faz lembrar a situação e atitude em relação ao vírus ao que se seguirá uma nova fixação política no encapotamento militar! Iniciamos agora um processo de retrocesso (na visão alemã), à termos de passar a aprender a aprender entre inimigo e amigo e, na consequidade, passar a duvidar precipitadamente do rosto humano de cada um.

Até aqui, estámos preocupados com a Guerra sanitária do SARS-CoV-2 e agora somos ocupados com a guerra militar da Rússia na Ucrânia! Deste modo continuar os povos em estado de emergência: a dependência do ministério da saúde para a dependência do ministério da defesa. . Das pessoas encerradas em casa surgirá a tendência para guardar nas casernas!

Putin não queria aceitar que também os grandes impérios podem desabar e os EUA enganadoam-se ao quererem apostar no seu mundo de cariz unipolar! Se seguíssemos essa lógica de manter e ampliar os grandes, a consequência seria, como dizia um colega, Portugal e Espanha teria direito à América do Sul, a Inglaterra à Índia, América do Norte e Austrália e assim por diante… E isso para não começarmos pelos Romanos, etc.! Fato é que os grandes impérios caem e que a ordem se cria num jogo entre pequenos e grandes.

E nós povo, pensamos e agimos privadamente sem nos darmos conta do que está por trás do que fez ou deixou de fazer.

Querer medidor no mesmo saco os interesses por que se rege a política e a moral que move o povo, é fraco gesto que usa da confusão ao serviço de interesses políticos.

Somos ingênuos quando se trata de avaliar o poder pensando que o que não deve acontecer não acontece. 

A credulidade numa sociedade romantizada leva à negação da realidade. Não chega pensar que para além do nosso próprio horizonte (mentalidade) não existe outras ideias, outros horizontes com formas anárquicas e cruéis de pensar e agir…. O cúmulo da ingenuidade seria, porém, querer ignorar o próprio mal para culpar apenas os outros.

O cerco da OTAN não justifica a guerra nem a guerra justificando as acções anteriores da OTAN. Com a guerra e a ameaça nuclear e pessoas sem escrúpulos, tudo se torna possível, mesmo o que se pensa ser impossível. Em 2007, na conferência de segurança em Munique, Putin manifestou-se contra um mundo unipolar e avisou a OTAN: “mãos para os nossos vizinhos”. Por putin vistos, na altura, dizia o que pensava perante o agir de uma OTAN que queria ver Putin morando e uma Rússia reduzida a segundo ou terceiro plano na ordem mundial (O extremo da propaganda ocidental compositor-o como psicopata). Na fase da divisão do povo ucraniano Putin verificou que a sua aação agressiva no terreno se revela inferior à estratégia de inserção dos EUA e da Otan através de métodos considerados democráticos, mas aí viu que, a longo prazo, iria perder. Putin, nesse tempo de rivalidade pela posse do povo ucraniano, pode ver que a Otan não tinha dentes nem garras, mas se afirmava de maneira mansa, os EUA forneciam dinheiro e a Europa estava interessada em implantar lá empresas para militarmente treinava as suas forças militares em” missões de paz”, e ele Putin só tinha a força militar… a situação mostra agora o rosto do poder que é imprevisível!

A Cimeira da NATO em Varsóvia. 8. 7. 2016 tinha na agenda a forma de lidar com a Rússia, cuja guerra de agressão não declarada contra a vizinha Ucrânia já tinha custado a vida a cerca de 10.000 pessoas e tinha obrigado cerca de 2 milhões de pessoas a fugir (3).

Na Rússia como no Ocidentes encontram-se valores genuínos que querem foros de cidadania.

O The Moskow Times informou que trinta meios de comunicação social russos (incluindo, RT, Kommersant, Novaya Gazeta e TASS)– emitiram uma declaração conjunta em que acentuaram: “Hoje o presidente da Rússia Vladimir Putin iniciou uma guerra com a Ucrânia. Dor, raiva e vergonha – estas três palavras refletem os nossos sentimentos sobre os eventos…” “Nós, jornalistas dos media independentes russos, declaramos que somos contra a condução da guerra pela liderança da Rússia.

Prometemos narrar honestamente esses eventos, enquanto pudermos.

Desejamos força e determinação ao povo da Ucrânia que resiste à agressão, e a todos os russos que tentam resistir a esta loucura militarista“(4).

Na opinião pública o sentimento de impotência expressa-se justamente revoltado contra a invasão ordenada por Putin. Erich Kästner adverte:  “Lembra-te da pergunta daquela criança: o que é que o vento faz quando não sopra?… Quem se atreve a opor-se aos comboios trovejantes?… Aquele que não pergunta continua burro…. É a partir das perguntas que emerge o que resta”. Destas ideias se poderia concluir que quando se está contente com a resposta e se deixa de perguntar, então passa-se ao estado de burro.

De uma maneira geral em vez de nos empenharmos pela causa da paz continua-se nos Media a dificultar formar-se uma ideia justa sobre o que tem acontecido e está a acontecer na vítima Ucrânia. A intervenção militar da Rússia e o processo em via na Ucrânia dificultam a formação de uma opinião justa e equilibrada, aquela que seria propícia para a paz. A guerra quebra com a razão, tirando a razão a Putin e ofuscando a opinião dos que não têm interesse em perceber o envolvimento no terreno (tornado Cavalo Troiano) das actividade da Rússia e da NATO, a partir dos anos 90; só a partir daí se pode chegar a conclusões que levem a soluções imparciais e duradouras. Uma argumentação que certifica a opinião dos que se encontram do lado certo traz já no seu germe também a guerra! Senão olhe-se para a situação na Ucrânia e para os meios de comunicação social. A opinião pública passou dezenas de anos virando o olhar do que acontecia na Ucrânia para agora lavarem as mãos declarando Putin de louco sem contarem o que contribuímos para ele chegar a este estado de loucura.Guerras só se evitam à mesa das conversações mediante compromissos. Não há possível compromisso que satisfaça plenamente as partes e quem não nota isto deveria voltar para a escola, para a escola da vida!

No sentido de uma paz duradoura na Europa, seria um erro crasso termos uma Rússia encurralada; a solução seria a Ucrânia tornar-se uma República Federal da Ucrânia neutra, à imagem da Suiça (ou da Suécia). De desejar seria uma Ucrânia com uma sociedade equilibrada adversa ao capitalismo bárbaro e oligárquico e ao centralismo escravizante estalinista. Para evitar o sacrifício da Ucrânia, ou fazer dela uma zona de disputas entre o Oriente e o Ocidente há que considerar, o conflito dos interesses geoestratégicos da Rússia-NATO-China evitando que a Ucrânia na Europa seja colocada na posição de uma nova Cuba: de um lado os países capitalistas e do outro os países do comunismo oligárquico. Agora seria o momento de pôr em acção a razão na mesa das conversações e haja um esforço por parte da Europa para que se reconheça uma República Federal Ucraniana, doutro modo a Europa, com a sua política, estará a implementar a união dos blocos comunistas e a preparar a próxima tragédia que será Taiwan que até hoje na Europa só foi reconhecida pelo Vaticano e pela Macedónia!  Na hora dos grandes é preciso salvar os pequenos para que não se tornem vítimas dos tentáculos dos grandes polvos! No meio de tudo isto assiste-se a campanhas de desinformação e quem sofre é o mexilhão que sofre com a irresponsabilidade de uma Europa que em vez de olhar pelos próprios interesses e por garantir a paz, está a comprometer a própria população civil e a da Ucrânia.

Uma política de perspectiva europeia   poderia, com o tempo, levar parte da Rússia a integrar-se numa Europa com objectivos comuns. A humildade e a modéstia seriam a virtude a solicitar-se a Putin e a todos os que contribuíram para a guerra (Ver Ucrânia Cavalo de Troia: https://antonio-justo.eu/?p=7116 .

A Nato e a Rússia têm jogado na Ucrânia não em defesa de uma Ucrânia unida, mas na defesa dos próprios interesses. A Ucrânia só precisa da autorização (auto-empoderamento) da NATO e da Rússia para iniciar uma política de união nacional federal; que faz a Europa nesse sentido? Esperar que a Rússia se una definitivamente à China?  (Chegou a hora do ajuste de contas: https://antonio-justo.eu/?p=7129 ).  A liberdade de opção é um bom argumento, o problema é não vivermos sozinhos no mundo!

Urge parar toda a violência para evitar novas ondas de sofrimento. Seria autoengano pensar que escapando à dor se evitaria o sofrimento!… A questão a pôr será se o que se faz é para o bem de todos!

© António da cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

(1)  Reforço das forças armadas: https://www.welt.de/politik/bundestagswahl/article234668682/Ampel-will-bereits-geplante-Aufstockung-der-Bundeswehr-stoppen.html

(2) Der Tagesspiegel https://www.tagesspiegel.de/politik/ist-unsere-pflicht-die-ukraine-zu-unterstuetzen-deutschland-liefert-jetzt-doch-direkt-waffen-an-die-ukraine/28110020.htm l 

(3) https://taz.de/Nato-Gipfel-in-Warschau/!5317179/

(4) In The Moskow Times” https://www.themoscowtimes.com/2022/02/24/russian-celebrities-academics-journalists-speak-out-against-ukraine-war-a76565

PS: O facto aqui apelar ao diálogo e ao compromisso, não quer isto dizer que se desqualifique quem tem a sua opinião formada num sentido ou noutro. Sem soldados não se faz a guerra e quando há guerra justifica-se a existência de soldados; o maior problema é que quem morre é a juventude feita soldado e quem mais sofre é o povo. Por todo o lado se levanta o povo em manifestações contra Putin, outros rezam, outros põem a voz dos sinos a rebate duas vezes ao dia. Juntemo-nos todos solidários com o povo ucraniano na defesa de quem é vítima

Leave a Reply

- Advertisment -

Most Popular

COMENTÁRIOS RECENTES

Paula Alexandra Farinha Pedroso on Elias Vaz lança livro sobre lendas e mitos de Monsanto
%d bloggers like this: