15.5 C
Castelo Branco
Domingo, Maio 29, 2022
No menu items!
InícioRegionalPalestra em Póvoa de Rio de Moinhos organizado pela União de Freguesias

Palestra em Póvoa de Rio de Moinhos organizado pela União de Freguesias

A União de Freguesias de Póvoa de Rio de Moinhos e Caféde, no dia 15 de abril, organizou um palestra na Casa da Cultura em Póvoa de Rio de Moinhos.

O tema do evento – “Nossa Senhora da Encarnação”, a oradora convidada foi a geografa, professora e investigadora Maria Adelaide Neto Salvado.

Igualmente presente no palestra, o Presidente da União de Freguesias de Póvoa de Rio de Moinhos – Ana Sofia Ramos Pereira, vice-presidente / Secretário da União de Freguesias de Póvoa de Rio de Moinhos e Caféde – Sérgio Silva e a Tesoureira da União de Freguesias de Póvoa de Rio de Moinhos e Caféde – Paula Esteves Dias.

Antes do início da palestra, Ana Sofia Ramos Pereira pediu um minuto de silêncio, pois foi às 15 horas de Sexta-feira Santa que faleceu Jesus de Nazaré.

Maria Adelaide Neto Salvado, iniciou o palestra com a leitura de um soneto de João Penha (1838 – 1919).

Existem várias invocações a Nossa Senhora da Encarnação e nomes que serviam para engradecer o culto mariano – Padre Jacinto Reis (1893 – 1978).

O Evangelho segundo São Lucas – capítulo 1, versículos 26-38, o Anjo Gabriel Anuncia à Virgem Maria o nascimento do redentor – Jesus de Nazaré, em que Deus vai Encarnar Homem.

Na Capela de Nossa Senhora da Piedade em Castelo Branco, encontra-se um azulejo que com a imagem de Nossa Senhora e do Anjo Gabriel.

Também no Museu Francisco Tavares Proença Júnior em Castelo Branco, uma imagem do Anjo Gabriel e da Virgem Maria.

Gil Vicente (1465 – 1536), escreveu uma peça de teatro – “Auto da História de Deus”.

O Sermão da Encarnação do Padre António Vieira (1608 – 1697), referia-se à Estrela-do-mar, afim de por meio dela chega ao porto de salvação.

A oração mais antiga à Encarnação, é do Século III com o rito romano e o rito grego. Mais tarde no Concílio de Éfeso (431), surge o reconhecimento oficial da Santa Sé do título de “Mãe de Deus” à Virgem Maria., neste Concílio reuniram-se 250 bispos, também esteve presente o patriarca de Alexandria – Cirilo de Alexandria, que é um dos Doutores da Igreja.

Em 589, com o III Concílio de Toledo, que era a capital da Península Ibérica no Reinado do Rei Visigodo Recarelo I, os visigodos deixam o arianismo e aceitaram “Deus Verdadeiro e Homem Verdadeiro”, Deus é Pai e Filho.

A Encarnação / Anunciação com o cristianismo primitivo, estabelece-se a de 25 de março (9 meses antes do dia de Natal em 25 de dezembro), como dados festiva.

Mais tarde com o X Concílio de Toledo em 656, aquando era Rei Visigodo – Recesvinto I.

O arcebispo Eugênio, a coloca Festa da Mãe de Deus no dia 18 de dezembro (Nossa Senhora do Ó), isto porque no dia 25 de março está enquadrado com o Quaresma.

Durante o palestra é recitada uma oração de Mação (25 de março), com a Voz (Maria Adelaide Neto Salvado) e o Coro (público que esteve presente no palestra)

Póvoa de Rio de Moinhos, que tem a capela de Nossa Senhora da Encarnação, ermida do Século XVIII que era santuário de Nossa Senhora da Encarnação.

Frei Agostinho de Santa Maria (1642 – 1728) no ano de 1711, diz que entre a Póvoa de Rio de Moinhos e Tinalhas, termo da vila de São Vicente da Beira, que se encontra o santuário milagroso de Nossa Senhora da Encarnação.

Santo Antônio (1195 – 1231) e o Padre Manuel Bernardes (1644 – 1710) destacam a Estrela da Manhã – Nossa Senhora.

A gestão da ermida de Nossa Senhora da Encarnação – Século XVIII: tem ermitão, casas de romagem, padroeiros da Póvoa de Rio de Moinhos e capelão.

O ermitão e o capelão da ermida de Nossa Senhora da Encarnação foram escolhidos pelas pessoas de Póvoa de Rio de Moinhos.

O santuário tinha muitos ex-votos no Século XVIII (eram ofertas a Nossa Senhora, pelos milagres, pedidos que eram realizados.

 

Eram pequenos quadros). Dos vários Ex- votos dos Séculos XVII, XVIII e XIX, existem apenas um ex-voto que foi oferecido por Clara da Silva em 1842.

Também à referência da oferta da mortalha por Domingas Jorge em 1711.

A romaria de Nossa Senhora da Encarnação, é na Segunda-feira, após o Domingo de Páscoa, que tinha a presença do Presidente da Câmara e a romaria de Santa Águeda tinha a presença do Juiz Ordinário.

Nossa Senhora da Encarnação, é padroeira da cidade de Leiria.

Um padre natural de Póvoa de Rio de Moinhos – Tomás Farinha, na Missa Nova de 12-VII-1959, teve uma pagela de Nossa Senhora da Encarnação.

Em 16-III-1877, com as gentes de Póvoa de Rio de Moinhos e as gentes de Tinalhas, surgem uma batalha campal, onde intervirão 35 praças de infantaria e 15 praças de cavalaria.

Esta situação de conflituo estava na posse da capela de Nossa Senhora da Encarnação, que terminou em 1889 com o III Visconde de Tinalhas (1880 – 1973), com a criação da ermida da Rainha Santa Isabel em Tinalhas.

No final da palestra atuaram as Adufeiras da USALBI do polo de Póvoa de Rio de Moinhos, sob a liderança de Fernando Reis Garcia.

Falou, ainda, António Paulo referindo-se às 764 invocações a Nossa Senhora no território nacional, também falou a neta de Manuel Bispo da Póvoa de Rio de Moinhos, que esteve presente no conflituo de 1877 e também falou Manuel Franco Martins.

 

Leave a Reply

- Advertisment -

Most Popular

COMENTÁRIOS RECENTES

Paula Alexandra Farinha Pedroso on Elias Vaz lança livro sobre lendas e mitos de Monsanto
%d bloggers like this: