22.2 C
Castelo Branco
Terça-feira, Maio 24, 2022
No menu items!
InícioNacionalCaravana pela Justiça Climática percorre zonas afetadas pelos incêndios

Caravana pela Justiça Climática percorre zonas afetadas pelos incêndios

A Caravana pela Justiça Climática, que pernoitou e passou por diversos pontos do concelho de Proença-a-Nova, como o Parque de Campismo da Aldeia Ruiva e a aldeia de Sobral Fernando nas margens do rio Ocreza, percorreu um total de 400 kms, num trajeto que focou as zonas do país mais afetadas pelos incêndios.

Entre os dias 2 e 16 de abril, mais de 120 pessoas participaram na iniciativa, que partiu da Praia da Leirosa e terminou no Parque das Nações, em Lisboa.

Ao longo das estadias, o grupo organizou cirandas e debates, nos quais todos eram convidados a participar.

Houve espaço também para a atividade “Devia Haver Aqui”, deslocando-se a fábricas ou empresas que o grupo considerou poluente, onde se apontavam soluções para o que poderia haver naquele espaço.

António Assunção, participante da Caravana, assume que “o grande impacto que tentamos ter com a Caravana pela Justiça Climática não é bloquear infraestruturas ou bloquear emissões, mas sim construir uma infraestrutura e universo mais capaz, que não esteja só nas cidades”.

Quanto ao apoio sentido das populações locais, António é perentório e refere mesmo que “em todos os sítios por onde passámos, as pessoas ficam a saber que não estão sozinhas, que na questão dos incêndios não estão abandonadas, embora o tenham sentido. Mostramo-nos dispostos a colaborar, por isso o resultado mais prático é a criação de uma conexão mais forte entre as cidades do litoral e do interior para uma ação política conjunta”.

Matilde Ventura, também participante da Caravana, assume as dificuldades em embarcar nesta aventura, mas agradece o apoio demonstrado:“claro que é duro, mas toda a gente tem sido muito gentil e amável para nós, com quem nos cruzámos, tanto as pessoas das localidades, como das Câmaras locais”.

A Caravana pela Justiça Climática, ao longo da caminhada, publicou um Diário de Bordo, no qual foram dando nota dos acontecimentos de cada dia.

No penúltimo dia, segundo a organização“chegou-se com uma multidão unida, impossível de ignorar. As pessoas saíram à rua, espreitaram às janelas e gritaram connosco”.

No último dia, deu-se a chegada ao Parque das Nações, com um almoço em clima de confraternização.

 

Leave a Reply

- Advertisment -

Most Popular

COMENTÁRIOS RECENTES

Paula Alexandra Farinha Pedroso on Elias Vaz lança livro sobre lendas e mitos de Monsanto
%d bloggers like this: