10.8 C
Castelo Branco
Quinta-feira, Maio 26, 2022
No menu items!
InícioOpiniãoPonto de Vista... por António Justo

Ponto de Vista… por António Justo

Batalhão neonazista Azov integrado no exército ucraniano

Neonazis portugueses combatem com as Forças Armadas Ucranianas

A milícia armada Azov é uma organização militar neonazi criada em 2014 por Andriy Biletsky (1) e foi incorporada na Guarda Nacional ucraniana depois de atuar contra os separatistas pró-russos no Donbass.

António Justo

Ela actua sobretudo em Mariupol na Azovstal de que é dono o oligarca Akhmetov.

O batalhão é declaradamente racista e tem a participação de portugueses e de prosélitos de outros países (2). Tem acolhido milícias estrangeiras (3) (também elementos nazistas alemães) (4).

A participação destas milícias no exército ucraniano tem sido importante na acção guerreira e utilizada para legitimar a afirmação de Putin de querer desnazificar a Ucrânia!…

O regimento foi apoiado financeiramente, entre outros, pela oligarca ucraniano e membro da comunidade judaica Ihor Kolomojskyj (5) (isto pode compreender ajudar as últimas tensões entre a Rússia e Israel). Na fase inicial do conflito armado entre combatentes pró-russos e ucranianos em 2014, a cidade de Mariupol foi primeiramente ocupada pelo lado russo e depois libertada pelas tropas Azov.” …

Após a incorporação do Regimento Azov na Guarda Nacional a 12 de novembro de 2014, o então Presidente da Ucrânia Petro Poroshenko referiu-se aos membros do regimento como “os nossos melhores combatentes” e “os nossos melhores voluntários” numa cerimónia de entregas….

O neonazista português, Mário Machado, acompanhou à Ucrânia 20 de seus correligionários que foram incorporados nas milícias na Ucrânia (7).

Caso suspeito constitui o facto dos EUA e a Ucrânia não ter aprovado a Resolução da ONU sobre “o combate à glorificação do nazismo, neonazismo e outras práticas que contribuem para alimentar as formas contemporâneas de racismo, discriminação racial, xenofobia e intolerância relacionada”(8).

O francês Adrien Bocquet que esteve ultimamente de serviço na Ucrânia ao lado dos soldados ucranianos, testemunha:” quanto aos militares Azov, estão por todo o lado, até em Lviv, fardados e com aquele símbolo neonazi no camuflado… crimes de guerra com os que foram confrontados foram perpetrados por militares ucranianos e não por militares russos…”. Na guerra da nossa informação não se fala disto nem das armas que o ocidente fornece à Ucrânia são também abastecer para forças nazistas (9)!…

É importante tentar informar-nos de um lado e do outro para notarmos como armadilhas de uns e outros! Em tempos de guerra não se limpam armas e por isso tudo o que vem à rede é peixe, independentemente dos extremos de onde venham! É importante estarmos atentos para não cairmos nas redes de uns ou de outros, a não ser que queiramos ser peixes de engorda!…

*António da Cunha Duarte Justo

Notas e texto completo em Pegadas do Tempo: https://antonio-justo.eu/?p=7457

Leave a Reply

- Advertisment -

Most Popular

COMENTÁRIOS RECENTES

Paula Alexandra Farinha Pedroso on Elias Vaz lança livro sobre lendas e mitos de Monsanto
%d bloggers like this: