15.3 C
Castelo Branco
Sábado, Junho 25, 2022
No menu items!
InícioRegionalObservatório Nacional do Envelhecimento: polo no IPG “é uma pedrada no charco”

Observatório Nacional do Envelhecimento: polo no IPG “é uma pedrada no charco”

A ministra Ana Mendes Godinho confessa “especial orgulho por ser na Guarda que isso está a acontecer”. A inauguração do polo da Região Centro do Observatório nas instalações do Politécnico da Guarda foi ocasião para o seu presidente, Joaquim Brigas, garantir que “os investigadores do IPG irão promover a investigação e o conhecimento que permite e avaliar o envelhecimento ativo e saudável”.

“O Politécnico da Guarda está muito bem posicionado para apoiar a definição de políticas públicas de apoio ao envelhecimento ativo, assim como de políticas para enfrentar os problemas sociais e de saúde com que a população mais velha será deparar no futuro próximo”, afirmou o presidente do Instituto Politécnico da Guarda – IPG, Joaquim Brigas, nesta terça-feira na inauguração do polo da Região Centro do Observatório Nacional do Envelhecimento (ONE) nas instalações do Policténico da Guarda A Guarda.

O polo da Região Sul está na Universidade Nova de Lisboa e na Região Norte na Universidade do Porto.

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, considera mesmo “uma pedrada no charco” o trabalho que está sendo levado pelo Politécnico da Guarda.

Durante a visita

“São a ser desenvolvidas novas respostas para o envelhecimento, temos já cinco investigadores mobilizados para este projeto no IPG”, afirma Ana Mendes Godinho.

“O objetivo é produzir e partilhar conhecimento, para depois desenvolver projetos que têm financiamento do PRR para ser levado a cabo”.

Os novos projetos para o envelhecimento que vierem a ser desenvolvidos no IPG “terão capacidade para gerar emprego e fixar talento”, afirmou a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.

“É uma pedrada no charco extraordinário! E eu confesso ter um orgulho especial por ser na Guarda que está sendo a acontecer”, concluiu a ministra.

O presidente do IPG, por seu turno, garantiu que “os professores e investigadores da Guarda irão promover investigação e conhecimento que permite avaliar e desenvolver o envelhecimento ativo e saudável, adequar-se às prioridades e avaliar as políticas públicas nas várias áreas que impactam envelhecimento no envelhecimento”.

Essas áreas são, segundo Joaquim Brigas, social, do trabalho, da saúde, da transição para a reforma, da educação e da formação ao longo da vida, da participação cultural e cívica em função do território, das necessidades e das dinâmicas da população.

“Recordo todos que o IPG está no terreno nos municípios de sua região de influência, multiplicando iniciativas de acompanhamento, estudo e valorização da população”, afirma Joaquim Brigas.

“Este polo da Região Centro do Observatório Nacional de Envelhecimento não é, nem uma exceção, nem uma singularidade: faz parte de um processo de afirmação – afirmação pedagógica e afirmação científica – esta instituição de ensino superior”.

Leave a Reply

- Advertisment -

Most Popular

COMENTÁRIOS RECENTES

Paula Alexandra Farinha Pedroso on Elias Vaz lança livro sobre lendas e mitos de Monsanto
%d bloggers like this: