27.2 C
Castelo Branco
Domingo, Agosto 14, 2022
No menu items!
InícioNacionalTratamento com células estaminais abre novas possibilidades na diabetes tipo 1

Tratamento com células estaminais abre novas possibilidades na diabetes tipo 1

Os resultados de um ensaio clínico recente indicam que as células estaminais mesenquimais podem vir a ser um potencial tratamento para a diabetes tipo 1. Estima-se que mais de 13 por cento dos portugueses, entre os 20 e os 79 anos, vivem com a diabetes.

A diabetes tipo 1 está a aumentar, tanto em adultos como em crianças.

Segundo a Federação Internacional de Diabetes, a doença é um dos problemas de saúde global do século XXI com crescimento mais rápido – dos atuais 537 milhões de diabéticos, devemos passar a 643 milhões, em 2030, e alcançar os 783 milhões, em 2045.

Os doentes com diabetes tipo 1 dependem da administração diária de insulina ao longo da sua vida, o que pode levar à progressiva resistência do organismo e à sua perda de eficácia, gerando a necessidade de investigação pela procura de novas abordagens terapêuticas.

“Pela capacidade de regularem a atividade do sistema imunitário e poderem preservar a função das células produtoras de insulina, as células estaminais mesenquimais têm vindo a ser testadas em contexto de diabetes tipo 1”, explica Bruna Moreira, investigadora do Departamento de I&D da Crioestaminal.

“Foi esta a base para a realização de um novo ensaio clínico, que procurou averiguar a eficácia da administração intravenosa de células estaminais mesenquimais a doentes com diabetes tipo 1”, acrescenta.

Neste ensaio, que teve duas fases, participaram 21 doentes recentemente diagnosticados com diabetes tipo 1, divididos em dois grupos.

Inicialmente, o grupo A recebeu duas doses de células estaminais mesenquimais, e o grupo B recebeu solução salina (placebo). Após um ano, os participantes tratados com células estaminais receberam placebo, e vice-versa.

A segurança do tratamento experimental foi avaliada nos dois anos seguintes, não tendo sido registados efeitos adversos graves decorrentes da administração de células estaminais, e tendo o procedimento sido considerado seguro.

Comparando os resultados de ambos os grupos, verificou-se que o tratamento com células estaminais esteve associado a um melhor controlo dos níveis de glicémia, ao aumento dos níveis de moléculas anti-inflamatórias no sangue e, segundo os questionários respondidos pelos participantes, a melhorias na sua qualidade de vida.

A análise comparativa dos resultados do grupo que recebeu células estaminais por altura do diagnóstico, com os do grupo tratado um ano depois, revelou que a administração destas células numa fase mais precoce parece ser mais vantajosa.

O exercício físico regular foi outro parâmetro avaliado.

Os participantes que realizaram mais de três horas e meia de exercício físico por semana, adicionalmente à terapia com células estaminais, registaram uma diminuição significativa dos níveis de hemoglobina glicosilada (o que indica um melhor controlo da glicémia), e aumentaram a quantidade de insulina endógena, comparativamente com os que não praticaram exercício físico dentro dos níveis recomendados.

Os resultados deste ensaio clínico indicam que as células estaminais mesenquimais da medula óssea têm efeitos benéficos em crianças com diabetes tipo 1, sobretudo se forem administradas numa fase precoce.

Trata-se de um tratamento em fase experimental, sendo necessário realizar mais estudos que permitam a sua otimização, de forma que este possa ser incorporado na prática clínica.

Para aceder aos estudos científicos mais recentes sobre os resultados promissores da aplicação de células estaminais, visite o Blogue de Células Estaminais.

Leave a Reply

- Advertisment -

Most Popular

COMENTÁRIOS RECENTES

Paula Alexandra Farinha Pedroso on Elias Vaz lança livro sobre lendas e mitos de Monsanto
%d bloggers like this: