6.2 C
Castelo Branco
Domingo, Novembro 27, 2022
No menu items!
InícioInternacionalPolitécnico da Guarda entra em rede de investigação de universidades ibéricas

Politécnico da Guarda entra em rede de investigação de universidades ibéricas

“Esta rede de investigação trará grandes vantagens para a nossa comunidade académica”, afirma o presidente do IPG. A Rede CRUSOE, composta por 29 instituições de ensino superior, pretende desenvolver os territórios de Portugal e Espanha pela cooperação de universidades e politécnicos com a sociedade e com empresas. “Projetos partilhados e candidaturas conjuntas a verbas europeias qualificão a investigação no IPG”, afirma Joaquim Brigas.

O Instituto Politécnico da Guarda – IPG passou a integrar a Rede CRUSOE, uma organização de universidades e politécnicos do centro e norte de Portugal e do noroeste de Espanha dedicada à investigação e desenvolvimento (I&D).

O IPG participou em projetos partilhados de I&D, integrará candidaturas conjuntas a fundos europeus para financiar trabalhos científicos e ter programas de mobilidade académica para estudantes e professores no âmbito das instituições de ensino superiores dos dois lados da fronteira.

“A Rede CRUSOE reforça o alcance, e a profundidade, da investigação produzida nas escolas do IPG”, afirma Joaquim Brigas, presidente da Politécnico da Guarda.

A adesão do IPG à Conferência das Universidades e Institutos Politécnicos do Sudoeste – CRUSOE decorreu na terça-feira passada, 27 de setembro, na Reitoria da Universidade de Aveiro: outros cinco politécnicos portugueses (Coimbra, Leiria, Castelo Branco, Tomar e Viseu) aderiram à Rede CRUSOE.

Esta rede – que agora passou a ser constituída por 29 instituições – tem como objetivo melhorar a educação superior nas instituições aderentes e desenvolver os territórios do sudoeste da Europa através da cooperação entre universidades e politécnicos e os tecidos sociais e económicos locais.

Como universidades e politécnicos espanhóis são das regiões da Galiza, Astúrias, Castela e Leão e Cantábria.

240 mil estudantes, 150 grupos de investigadores

“A entrada do Politécnico da Guarda nesta rede de investigação trará grandes vantagens para toda a comunidade académica do IPG”, afirma Joaquim Brigas.

“Os programas de mobilidade promovidos pela Rede CRUSOE enriqueceram o ‘know-how’ dos nossos estudantes e do nosso corpo docente, beneficiando-se do diálogo e da troca de ideias diferentes entre instituições de ensino superior”.

Composto por mais de 150 grupos de investigadores e por quase 240 mil estudantes, esta rede trabalha em cinco áreas de investigação: Bioeconomia e biotecnologia para um crescimento azul; Mobilidade, transporte inteligente e energia sustentável; Mudança demográfica, envelhecimento e qualidade de vida; Novas tecnologias facilitadoras de uma sociedade digital; e Fabricação avançada, inovação e produção limpa.

“Vários projetos de investigação desenvolvidos por docentes e estudantes do IPG têm estado em destaque, nomeadamente em concursos nacionais de empreendedorismo, os quais foram fulcrais para aumentar a competitividade e a capacidade de inovação das empresas da região”, afirma Joaquim Brigas.

“Trabalhar em conjunto com outras instituições de ensino superior apresentar candidaturas a verbas europeias vai reforçar a qualidade da investigação da Politécnico da Guarda”.

 

Leave a Reply

- Advertisment -

Most Popular

COMENTÁRIOS RECENTES

Paula Alexandra Farinha Pedroso on Elias Vaz lança livro sobre lendas e mitos de Monsanto
%d bloggers like this: