4.9 C
Castelo Branco
Terça-feira, Novembro 29, 2022
No menu items!
InícioOpiniãoA Europa anda perdida numa fase em que os Impérios se reorganizam

A Europa anda perdida numa fase em que os Impérios se reorganizam

Tempos de Crise universal beneficiam os Grupos globais oportunistas

O ser humano para subsistir precisa de um habitat natural, de instituições e de organizações sociais com ideologias ou doutrinas é que confiram consistência interna, a possibilidade de identificação

Das famílias, tribos, povos/nações surgiram os impérios e civilizações. Se antes os impérios eram determinados pelos interesses internos de nações, hoje organizam-se em torno de núcleos regionais económicos e ideológicos…

Se nas primeiras organizações dominavam as relações humanas empáticas já a nível de conglomerados (por exemplo, ONU; OTAN/EUA, Federação Russa, China, UE) dominam como relações funcionais (não empáticas) …

Como superpotências são perigosas entre si, o resto é obrigado a segui-las e a entreter-se com a informação que elas lhe dão. Encontram-nos num tempo que exige atenção especial a tudo, um tempo de guerras híbridas onde dominam a propaganda e a contrapropaganda, a desinformação e a corrupção, o que complica uma avaliação da situação porque o cidadão é sobretudo o resultado de informação; da informação de uma realidade meramente virtual.

A crise atual é mais dolorosa do que outras passadas porque o mundo se transformou numa “aldeia” e o cidadão e a sociedade são a ser reagendados e transformados em produto em função de algo imediato…

Os latifundiários do poder, interconectados entre si, criar uma realidade e uma atmosfera social que já chega a ultrapassar o cinismo e a sátira. Gera-se uma consciência colectiva em que a arbitrariedade e a absurdidade passar mesmo a reduzir a realidade a uma narrativa de fato atrás de fato, não interessando os elos de ligação entre eles…

esta situação é cada vez mais precária dado os portadores de confiança pública deixando de ser mesmos para se transformarem em propagandistas de agendas e de interesses anonimizados que destroem o sentimento do bem-estar. Por outro lado, a aposta numa guerra só destruidora arruína a orientação do confiança interior e individual e conduz a sociedade a um estado depressivo porque inconscientemente se sente uma situação perdida…

Sem esperança (que é o sol da vida individual e social) não há progresso, não há sobrevivência e não há futuro porque a esperança e a confiança são os elixires da vida imprescindíveis para o bem-estar individual e social…

Pensa-se que na Europa a Esperança não morreria, mas com a progressiva morte da pessoa humana (da morte de Deus passou-se à morte do Homem) toda a esperança vai morrer e ser substituída por expectativas instaladas. Cada vez nos mergulhamos mais na dor do luto de guerras militares, subculturais (de capelinhas) e económicas que nos reduzem à qualidade de refugiados indesejados a viver na desconfiança de um mundo que leva muitos a ter existir de forma sonâmbula e outros a ter de adormecer sob o manto da tristeza. Cada vez se ganha mais a impressão que, de dia para dia, a velha Europa, que abusara do mundo, morre, com a vã satisfação de morrer em conjunto. Uma Europa das nações que antes pensavam o mundo sob a perspectiva nacionalista ainda não encontrou uma óptica própria geopolítica.

Em sociedades passadas apenas como elites se davam conta dos erros das elites e da História; hoje, os generais já não se encontram no quarteis mas nas centrais da informação, nos gabinetes e nas operadoras globais… esquece-se que onde não há dúvida não há desenvolvimento!…

Precisamos de uma política lúcida empenhada na construção da paz que restitua a esperança ao povo.

*António da Cunha Duarte Justo

Teólogo e Pedagogo

Texto completo e nota em “Pegadas do Tempo”, https://antonio-justo.eu/?p=7877

Leave a Reply

- Advertisment -

Most Popular

COMENTÁRIOS RECENTES

Paula Alexandra Farinha Pedroso on Elias Vaz lança livro sobre lendas e mitos de Monsanto
%d bloggers like this: