9.1 C
Castelo Branco
Terça-feira, Janeiro 31, 2023
No menu items!
InícioOpiniãoPonto de Vista... por António Justo

Ponto de Vista… por António Justo

CONSCIÊNCIA INDIVIDUAL NA CONTINGÊNCIA DE SER DESVIADA

Hoje a grande tentação de instâncias do poder é instigar o cidadão ao apagamento da voz interior (saber interior e intuitivo) de cada pessoa (voz da consciência) para a substituir só por uma consciência colectiva edificada em função do político e socialmente oportuno (visão meramente materialista, utilitarista e funcionalista da pessoa na máquina estatal).

António Justo

Em tempos passados as instituições do poder procuraram manipular a consciência individual; hoje encontramo-nos numa fase muito mais grave que se resume na tentativa de a destruir! Destruindo-se a consciência individual interfere-se de maneira essencial na personalidade humana e na sociedade; passa o Estado e seus representantes a serem os senhores soberanos sobre tudo o que é humano e sobre a dignidade humana individual…

Os vários órgãos de poder, em cooperação com operadores globais com modernas tecnologias de acção global, têm possibilidades imensuráveis de manter o povo sob constante influência e controle. Por outro lado, as pessoas são constantemente confrontadas com novos factos sem poderem ordená-los nem conseguirem digerir o produto consumido. Sem o momento de reflexão e análise, desaparece a consciência individual e com ela a responsabilidade individual e social. O problema de uma relação normal entre o indivíduo e a instituição continua assim por resolver.

A palavra consciência vem do termo latino “Conscientia” que poderíamos traduzir por: conhecer com, pensar com…

Assim, a consciência é o lugar (centro do eu) onde se encontra o sentido e significado da nossa vida individual e social. A consciência expressa-se individual e colectivamente em diferentes fases e épocas numa contínua necessidade de se definir e exprimir…

Para o neurocientista António R. Damásio: “A consciência é um estado de espírito em que a pessoa tem consciência da sua existência própria e da existência de um ambiente. ” Segundo esta definição a consciência não é desvirtuada.

Consciência vai do estádio vergonha, culpa, medo, etc. até ao estádio de amor, paz e experiência mística…

Filósofos, inclinados para ver a matéria como medida de todas as coisas, continuam a observar a natureza na perspectiva da velha física (mecanicista-materialista) não achando lógico que o pensamento (a alma) seja fundamentalmente diferente da matéria.

As experiências místicas e religiosas (e a consciência dos povos) apontam para o espiritual como base da matéria e deste modo consideram o ser humano como um ser espiritual em que o espírito é o coração da matéria. A nova física – a física quântica – pode ser um bom caminho para a reconciliação das diferentes ciências que deveriam agir, não em guerra inútil, mas sim no sentido de complementaridades. No meu entender ela desenvolve-se no âmbito da fórmula trinitária onde se expressa ao mesmo tempo o uno e o trino, visão para que apontava já Teilhard de Chardin quando se referia ao “ponto ómega” como o ponto final e alvo na consideração teológica ou filosófica da evolução, como expressa também Frank Tipler. Este ponto final recebe o nome de Ómega baseado na passagem bíblica “Eu sou o Alfa e o Ómega, o primeiro e o último, o início e o fim”…

Independentemente de crença ou não crença, é de observar com apreensão o caminho que as elites políticas estão a levar não se preocupando com a procura da verdade nem do bem integral de todo o povo, mas sim em controlá-lo no sentido dos interesses de alguns ou de ideologias parciais…

Destruída a consciência pessoal passa a não haver dignidade humana, mas tribal e, consequentemente, a própria democracia passa a encontrar-se em perigo de ser abalada nas suas raízes! Necessita-se compatibilizar matéria e espírito, secularidade e religiosidade.

*António da Cunha Duarte Justo – Teólogo e Pedagogo

Texto completo em Pegadas do Tempo, https://antonio-justo.eu/?p=8088

Leave a Reply

- Advertisment -

Most Popular

COMENTÁRIOS RECENTES

Paula Alexandra Farinha Pedroso on Elias Vaz lança livro sobre lendas e mitos de Monsanto
%d bloggers like this: