12.2 C
Castelo Branco
Quinta-feira, Fevereiro 2, 2023
No menu items!
InícioCulturaMuseu do Fundão apresenta fotografias de Abel Dias Gama

Museu do Fundão apresenta fotografias de Abel Dias Gama

Está patente ao púbico, entre os dias 20 de dezembro e 24 de fevereiro, a mostra “Luzes da Memória; Territórios de Abel Dias Gama” que reúne fotografias captadas no concelho do Fundão na década de 50 e 60 do século XX por este até agora desconhecido fotógrafo fundanense. 

Abel Dias Gama (1903 – 1978), nascido em Janeiro de Cima, foi um empreendedor industrial e comerciante do Fundão, um homem da cultura, do desporto e apoiante do associativismo do concelho.

Foi sócio do Casino Fundanense e sócio fundador do Sport Fundão e Benfica, um dos clubes que dará origem à Associação Desportiva do Fundão.

Coordenada pela equipa do Museu Arqueológico Municipal José Monteiro, a exposição é um pequeno ensaio de um património imagético salvo in extremis que ficará, a partir de agora, à disposição de toda a comunidade no novo espaço expositivo do município Fundão, localizado na Rua Dr. João Pinto (à Praça Velha).

O conjunto de imagens fará parte do fundo documental integrado no CETMOPA (Centro de Estudos do Território, Mobilidade e Patrimónios) a ser, em breve, inaugurado na Rua da Cale.

Este centro de investigação reunirá um conjunto de fontes e de estudos das áreas do Património Cultural, da Museologia e da História Local, vinculando a importância da Cultura, da história e do património nos processos de desenvolvimento local e regional.

A propósito da exposição escreve Pedro Salvado, director do Museu do Fundão:

LUZES DA MEMÓRIA TERRITÓRIOS DE ABEL DIAS GAMA  

Esta mostra, pequeno ensaio de arqueologia da imagem, materializa e alumia um surpreendente conjunto de fotografias fixadas a partir do olhar de Abel Dias Gama (1903- 1978) , marceneiro de profissão determinada, caminheiro que percorreu outros mundos, industrial empreendedor e arrojado, toda a vida ligado ao concelho do Fundão, território de excelência continuado enraizamento do seu peculiar registo.

Quando um dia se fizer uma história da imagem originada a partir dos horizontes entre a Estrela e a Gardunha, Abel Dias Gama será referência obrigatória como um exemplo da apropriação e reprodução dos sentidos associados ao acto de fotografar e dessa inexplicável vontade em se registar momentos ou planos do seu itinerário vivido continua num do inventário de olhares.

Salvo in extemis, o conjunto imagético demarca uma linha porosa de apreensão quase jânica, conjugando uma face testemunhal com outra evocativa que nos aproximam a realidades passadas mas que infundem uma dinâmica de leitura que se projecta no futuro. Marcando tempos e circunstâncias, as imagens, de uma saliente singularidade estética, são documentos-instrumentos de visualização do passado, reminiscências de momentos que agora são e se iluminam através da memória individual ou colectiva. As fotografias são artefactos arqueológicos, ferramentas mnemónicas significativas que religam e contestam, complementam ou comprovam aquilo que entendemos por passado, constituindo «um presente perpétuo e simultâneo que autoriza todas as leituras e releituras» como enfatiza Philippe Dubois. As imagens, para além de «uma cenificação do desejo assim como da temporalidade do sujeito», divulgam as atmosferas ruidosas dos mercados semanais, os ócios e os negócios, os calendários e as ciclicidades dos dias de contentamento, de festa ou de nostálgica monotonia campestre, de repetibilidade cultual religiosa das procissões, das mudanças e das permanências mas, também, do sentir da quebra dos espartilhos do olhar e da liberdade imagética na viagem até outros ares e lugares.

António Paulouro, quiçá a figura mais determinante da comunidade e da materialização de um certo viver a partir de um interior na segunda metade do século XX,  descreveu deste modo a cadência social e cultural  do espaço urbano  que Abel Dias Gama fotografou apelando à necessidade  da comunidade se  lembrar:

«Era uma vilazinha modesta, de pacato viver, onde as datas relevantes se contavam pelos dedos: a autonomia municipal em 1747, estrada real em 1864, caminho-de-ferro em 1891, precária mas arrojada iluminação elétrica em 1908, cinema em 1916, eletrificação do concelho em 1939. A população crescia devagar, apesar da abertura a poente que permitiu a dezenas de aldeias – e à mais importante empresa do interior, a Mina da Panasqueira – o acesso ao comboio e fez o polo comercial que o Fundão ainda hoje é. Os 2375 habitantes de 1864 apenas duplicaram – 4783, em 1940.

Melhor se pode avaliar a pequenez do burgo pela malha urbana dos limites da vila. A norte a Empresa de Moagem, a sul a casa do Nunes, na estrada do Convento, a nascente a Padaria Mecânica – a entestar a Fontainha – e a poente a Escola Conde Ferreira. Estávamos em 1944 e a referência epocal tem interesse para o que vai ler-se. No Terreiro de Baixo e na Quintinha só oito anos depois se abriria a Avenida, chamada de Salazar conforme o uso desse tempo e que só em 1974 – em abril, claro – passou a ser da Liberdade. Custa a imaginar como era o Fundão sem Avenida, mas era. Como era a Estrada, agora a Rua dos Três Lagares (!) que tinha do lado nascente apenas uma casa e do poente a Quinta dos Penedos. Foi nesse quadro de limitações resignadas e a crise de abastecimentos agravada pela Guerra que um homem de larga visão e de tanto amor a esta terra que maior ainda não houve e depois abnegadamente manteve a ideia da construção de um novo hospital. Havia um, secular marco de ímpar generosidade, obra da Misericórdia. Como o novo igualmente seria. Mas o velho era um hospital de pobres. Os ricos e remediados, até muito pobres, tratavam-se em casa e morrer no hospital era um ferrete de indigência.»

E se as mudanças ficaram fixadas em imagem, igualmente foram impressas as solidões,  os vazios dos espaços  das novas obras  e os plurais complexos sonoros que se libertam das imagens ligando e escutando a sonância das palavras. Estamos diante de autênticos xilemas e fluemas da seiva da memória, numa atitude de plantador e ao mesmo de carpinteiro burilador dos anéis imagéticos da grande árvore da memória do seu Fundão.

Deluze referiu um dia que a imagem-tempo da fotografia  são vários formas de presente. E foi este diário de presenças de acontecimentos  que o amador da imagem   fundanense  escriturou e que se pode continuar a ler hoje. Para Deleuze passamos, com efeito, de uma forma longitudinal para uma forma “vertical”, de um tempo cronológico para um tempo – memória, recordando as palavras do poeta Péguy: «A história é essencialmente longitudinal, a memória é essencialmente vertical».

A memória aviva-se com escritos-imagens de luz, a história também.

 

Leave a Reply

- Advertisment -

Most Popular

COMENTÁRIOS RECENTES

Paula Alexandra Farinha Pedroso on Elias Vaz lança livro sobre lendas e mitos de Monsanto
%d bloggers like this: