10 C
Castelo Branco
Quarta-feira, Novembro 25, 2020
No menu items!
Início Nacional Covid-19: Raios UV demoram 3 a 10 horas a eliminar coronavirus nas...

Covid-19: Raios UV demoram 3 a 10 horas a eliminar coronavirus nas superficies segundo estudo

A radiação solar ultravioleta (UV) demora entre três a dez horas a eliminar o novo coronavírus das superfícies exteriores no verão, em Lisboa, e mais de 20 horas no inverno, segundo um estudo de investigadores portugueses.

O trabalho, a que a Lusa teve acesso, conseguiu demonstrar a eficácia da radiação UV na eliminação do novo coronavírus nas superfícies em várias latitudes, definindo valores para cidades como Lisboa, São Paulo (Brasil) ou Viena (Áustria).

A investigação arrancou durante o confinamento, resultou da cooperação entre o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), a Universidade de Medicina Veterinária de Viena (Áustria) e o Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde da Universidade do Porto e pretende ajudar a definir e ajustar políticas públicas.

“Construímos mapas da radiação solar UV que chega à superfície da Terra, a qual é efetiva para a inativação do vírus. Embora fosse de há muito conhecido o efeito germicida da radiação UVC, faltava saber até que ponto a radiação solar UV que atinge a superfície do globo (UVA e UVB) era capaz de inativar o SARS-CoV-2. Era uma suspeita, mas nunca se tinha avançado para verificar”, explica à Lusa a investigadora do IPMA Fernanda Carvalho.

“Quando falávamos que a radiação ultravioleta podia ter um papel importante na inativação pensava-se que era apenas a ultravioleta C, usada a nível laboratorial para esterilizar superfícies, mas concluímos que a radiação solar que atinge a superfície da Terra também desempenha essa tarefa”, explicou.

Este foi o primeiro trabalho do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) publicado numa revista científica internacional sobre a relação do SARS-CoV-2 e um elemento meteorológico, neste caso a radiação solar.

Fernanda Carvalho explicou o caminho seguido pelos investigadores neste trabalho, exemplificando: “Temos um período entre março a outubro, que é coincidente de maneira geral no continente e ilhas, e no qual o índice ultravioleta é igual ou superior a seis (Alto). Em Lisboa, por exemplo, no verão, em três a dez horas o vírus é eliminado pela radiação UV”.

“No inverno, temos tempos para esterilização superiores a 20 horas. Um dia não chega para esterilizar superfícies no exterior”, disse a especialista.

Fernanda Carvalho dá ainda outros dois exemplos: “Em São Paulo, no verão, a radiação ultravioleta leva entre meia hora a oito horas a eliminar o vírus. No inverno pode demorar um pouco mais, cerca de dez horas, mas o inverno deles vai até ao limite superior do nosso verão”.

Noutras latitudes o efeito da radiação solar UV na eliminação do coronavirus é diferente. Segundo as conclusões a que os investigardes chegaram, em Viena (Áustria) – um dos autores do estudo é austríaco – a esterilização demora entre três a 30 horas e, no inverno, o período de tempo é superior a 100 horas.

A intenção deste trabalho é ajudar a definir políticas públicas, ajustando-as para a época: “Se calhar, não interessava estar muito preocupado no verão a desinfetar superfícies expostas ao sol na praia, como mobiliários de esplanadas, pois a radiação solar UV faz essa tarefa, mas seria importante concentrar esforços no período depois do pôr do sol”, explicou a especialista.

“Se calhar faz mais sentido ter uma política mais restritiva quando não há luz solar, tanto no verão como no inverno, já que agora estamos a caminhar muito rapidamente para a diminuição quer da intensidade, quer do número de horas com radiação solar; logo, aumenta o número de horas necessárias para o vírus ser inativado”, acrescentou.

Fernanda Carvalho diz que, com este estudo, se provou que, de todos os trabalhos feitos sobre a influência dos fatores meteorológicos sobre o novo coronavírus, a radiação solar UV é a mais eficaz na inativação do vírus.

“A humidade e a temperatura condicionam o vírus, mas através do comportamento das pessoas, pois quando está mais frio as pessoas estão mais em espaços fechados e, logo, há maior contágio”, afirmou.

*LUSA

Leave a Reply

- Advertisment -

Most Popular

Docente da Universidade de Coimbra nomeado para grupo de peritos da União Europeia no domínio da energia nuclear

Luís Neves, professor catedrático da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC), foi o nome escolhido pela Agência Portuguesa...

“Mutualista com as Crianças” arranca nas escolas das aldeias do concelho da Covilhã

Projeto da Mutualista Covilhanense já está no terreno, em formato online até ao fim da pandemia, e conta com vários parceiros

Docente do IPCB integra trabalhos de preparação da Estratégia Nacional de Combate à Pobreza

Marco Domingues, docente da Escola Superior de Educação do IPCB, integra a comissão de trabalho que está a elaborar a proposta de...

Uma albicastrense no Campeonato da Europa de Judo

O Campeonato da Europa de Seniores de Judo decorreu em Praga na República Checa entre os dias 19 e 21 de Novembro...

COMENTÁRIOS RECENTES

Paula Alexandra Farinha Pedroso on Elias Vaz lança livro sobre lendas e mitos de Monsanto
%d bloggers like this: